Iniciar sessão
/pt-pt/PublishingImages/Paginas/PremioCapitalHumano2020/1_A_Futurscape.jpeg

​A tecnologia e o digital vão desempenhar um papel cada vez mais importante nas organizações públicas e privadas. O painel “O Futuro do Trabalho”, no evento IDC FutureScape, contou com a participação de Cristina Jacinto, a Vogal Executiva da Comissão Diretiva do PO CH, que deu a merecida visibilidade ao papel do PO CH nesta mudança.

26-02-2021

​O evento IDC FutureScape apresentou as mais recentes previsões da IDC até 2024 para as dimensões da Future Enterprise, assentes em quatro eixos fundamentais de desenvolvimento: aceleração dos processos, reparação e correção de falhas, extensão da capacidade e transição de ecossistemas. De acordo com as previsões da IDC, em 2025 pelo menos 90% das novas aplicações empresariais incluirão funcionalidades de Inteligência Artificial (IA), redefinindo por completo o modelo de trabalho.

O Painel “Líder Digital”, que integrou a temática “O Futuro do Trabalho” contou com a presença de Cristina Jacinto, que falou sobre a importância do trabalho do PO CH, através dos apoios do Fundo Social Europeu, na qualificação da população e na sua capacitação digital. Segundo a Vogal Executiva do PO CH ninguém pode ficar para trás nesta corrida em passo acelerado, correndo o risco de nunca conseguir integrar a mudança no mundo do trabalho. As entidades formadoras terão nisto um papel crucial, tendo elas próprias que se adaptar ao novo contexto. O momento que atravessamos e que podemos apelidar de “learn by doing” obriga a uma reflexão sobre o que de facto precisamos, em termos de competências, para conseguirmos uma cooperação homem-máquina bem-sucedida. Estimular o desenvolvimento de competências que permitam às pessoas trabalhar eficazmente com as máquinas, e o desenvolvimento de Soft Skills que lhes dêem o necessário grau de autonomia para fazer face à mudança dos locais de trabalho e do trabalho em si, são essenciais para abraçar o Futuro. O modelo de trabalho futuro nunca será completamente à distância, porque as relações humanas também são necessárias, mas o modelo híbrido vai prevalecer e é preciso capacitar as pessoas também para essa mudança, já em curso.

Cristina Jacinto referiu-se também aos modelos de RPA - Robotic Process Automation como sendo o caminho a seguir para conseguir que a libertação das tarefas administrativas permita um melhor equilíbrio entre o trabalho e a família.


Aceda aqui ao painel "Digital Lider | The future of work"

  • < voltar a notícias