Iniciar sessão
/pt-pt/PublishingImages/Paginas/PremioCapitalHumano2020/Adultos%20não%20formal.jpeg

​O relatório da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico  aponta caminhos para melhorar  a qualidade na  aprendizagem de adultos. Fornece uma visão geral dos sistemas de garantia de qualidade em toda a Europa, destacando as suas características de implementação, estruturas e fatores de sucesso. 

02-03-2021

​As tendências generalizadas, como a globalização, o progresso tecnológico e o envelhecimento da população, estão a mudar os empregos disponíveis e os requisitos de competências. A crise da COVID-19 acelerou essas mudanças, especialmente na área de digitalização e adoção de novas tecnologias. Mais do que nunca, a aprendizagem de adultos desempenha um papel crucial, ajudando os trabalhadores a atualizar as suas competências e a adquirir outras, para corresponder às necessidades do mercado de trabalho. Isso é particularmente importante para adultos com baixas competências. Os benefícios potenciais da formação de adultos são vários e incluem maior empregabilidade e acesso a empregos de melhor qualidade, maior produtividade, melhor participação cívica e mais realização individual e bem-estar.

Para alcançar esses ganhos positivos, a educação e a formação precisam de ser de alta qualidade e garantir resultados de aprendizagem bem-sucedidos para todos os participantes. No contexto pós COVID-19, garantir a oferta de formação de qualidade será ainda mais importante para responder às novas exigências do mercado de trabalho. A oferta de qualidade é vista como uma ferramenta fundamental para criar confiança no sistema de formação de adultos, especialmente para a formação não formal, bem como um marcador de prestígio e credibilidade. Uma cultura de melhoria contínua dos programas é fundamental para promover o bom desempenho futuro.

Este estudo concentra-se na aprendizagem não formal de adultos, que é "institucionalizada, intencional e planeada por um promotor de educação" fora do setor de educação formal e que não leva a uma qualificação formal que seja reconhecida pelo nível nacional ou sub- autoridades nacionais de educação. Em comparação com a educação formal - que é supervisionada por governos nacionais ou subnacionais - a aprendizagem não formal é normalmente menos regulamentada e sua qualidade é altamente variável. Ao mesmo tempo, em todos os países da OCDE, a formação não formal desempenha um papel importante na qualificação de adultos, em particular naqueles com baixos níveis de qualificação, que geralmente resistem a enveredar por um caminho de educação formal. Num ano, cerca de 40% dos adultos participam em, pelo menos, uma atividade de formação não formal, em comparação com apenas 8% que frequentam uma formação formal.

O relatório mostra que o panorama dos sistemas de garantia de qualidade na aprendizagem não formal de adultos varia consideravelmente. É possível identificar três abordagens para a garantia da qualidade:
1. A abordagem regulatória que impõe requisitos mínimos de qualidade que os promotores precisam de cumprir para ter permissão para operar ou aceder a fundos públicos;
2. A abordagem consultiva que usa diretrizes e exemplos de boas práticas para inspirar promotores no desenvolvimento da qualidade;
3. A abordagem orgânica que deixa completamente para os promotores a definição das suas próprias necessidades de qualidade.

Para operacionalizar essas abordagens, duas categorias de ferramentas de garantia de qualidade prevalecem no contexto europeu: certificados e rótulos de qualidade e auto-avaliações. Os certificados e selos de qualidade impõem requisitos mínimos com o objetivo de garantir um nível uniforme de qualidade dos serviços. As avaliações, feitas pelos próprios promotores ou por entidades externas, visam aferir a qualidade atual da formação através de medidas subjetivas de satisfação com a formação ou medidas objetivas dos processos e resultados da formação, com o objetivo final de estabelecer um plano para a melhorar num futuro próximo.

Dada a sua natureza, os certificados e rótulos de qualidade são usados ​​principalmente por países que seguem uma abordagem regulatória para a garantia de qualidade. Essas ferramentas têm o potencial de garantir uma formação de boa qualidade, a proteção e satisfação dos clientes, fornecendo-lhes informações diretas e padronizadas sobre a qualidade dos promotores. 

As avaliações são uma ferramenta importante de garantia de qualidade na aprendizagem de adultos. Em particular, a prática de auto avaliações tem sido amplamente adotada em toda a Europa, especialmente na formação não formal, uma vez que permite aos prestadores avaliar a sua própria qualidade e implementar planos para a melhorar ao longo do tempo, de acordo com as suas necessidades e limitações.

Este relatório também enfatiza a importância de estabelecer uma abordagem de qualidade, onde ferramentas típicas de garantia de qualidade - como certificação e avaliações - são complementadas com estruturas de suporte adicionais. São revistas algumas das iniciativas de apoio mais frequentes: apoio à validação da aprendizagem prévia e orientação ao longo da vida, profissionalização do corpo docente, envolvimento dos parceiros sociais, mas também disponibilização de boas práticas, orientações e protecção do consumidor em termos de publicação de informação sobre a qualidade.

Aceda aqui ao relatório.

 

Fonte: OCDE

  • < voltar a notícias